Vacina contra dengue: Butantan inicia testes em todo o Brasil

O Instituto Butantan começou a expandir os experimentos do processo que engloba os testes da vacina contra dengue. A partir de junho de 2016, centros de pesquisa de cinco regiões do país vão promover testes com voluntários.

A terceira e última etapa dos estudos teve início em fevereiro deste ano, mas até então, era realizada apenas no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Desde a última quinta-feira (23), o trabalho passou a ser desenvolvido também na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), no interior de São Paulo.

Além do Hospital das Clínicas e da Famerp, outras 12 instituições receberam o aval do Butantan para testar a vacina em 17 mil voluntários de 13 cidades. Veja a lista completa:

  • Aracaju (SE)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Boa Vista (RR)
  • Brasília (DF)
  • Campo Grande (MS)
  • Cuiabá (MT)
  • Fortaleza (CE)
  • Manaus (AM)
  • Porto Alegre (RS)
  • Porto Velho (RO)
  • Recife (PE)
  • São José do Rio Preto (SP)
  • São Paulo (SP)

Nesta semana, Boa vista (RR) e Manaus (AM) serão as próximas a iniciar os estudos.

Como é feito o teste

instituto-butantan-vacina-dengue

Este período de testes é decisivo para o Butantan enviar o pedido de avaliação para a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). É através dos dados coletados nesta etapa que a eficiência da vacina poderá ser comprovada. A metodologia utilizada pelos centros de estudo é a seguinte:

  • 2/3 do número de voluntários recebem o composto efetivo da vacina.
  • 1/3 do número de voluntários recebe apenas um placebo.
Clique para ler o texto completo

Instituto Butantan inicia última fase de testes de vacina contra dengue

Nesta segunda-feira (22), o Instituto Butantan deu início à terceira fase de testes da vacina contra dengue. Estes serão os últimos estudos desenvolvidos pelo órgão antes de enviar o pedido de avaliação para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Os experimentos realizados em humanos acontecem desde 2013.

instituto-butantan-vacina-dengue

Aplicação das vacinas

Nas etapas anteriores, 900 pessoas foram vacinadas para garantir que a vacina contra dengue é segura e eficaz para produzir anticorpos contra os quatro tipos de vírus da dengue. Nesta nova fase, 14 instituições estão credenciadas a vacinar 17 mil voluntários em todo o Brasil. O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) vai aplicar a vacina em 1,2 mil pessoas.

Durante o período de vacinação, dois terços dos participantes receberão a vacina, enquanto um terço vai ser vacinado apenas com placebo, que é uma substância neutra e inerte à ação do vírus. Esse procedimento é necessário para comparar os dois grupos e verificar a eficiência dos agentes da vacina. Se tudo ocorrer dentro dos planos, o Butantan esperar concluir os testes até 2018 e disponibilizar a vacina para registro.

Como ser voluntário

Podem participar da terceira fase de testes, pessoas saudáveis entre 2 e 59 anos. Quem já teve dengue também pode se inscrever. É preciso ter disponibilidade para comparecer aos locais de pesquisa por um período de cinco anos.

Locais de pesquisa

Além de São Paulo, que conta com HC-FMUSP e a Santa Casa de Misericórdia, outros centros de pesquisas realizarão os testes da vacina contra dengue em 12 cidades.… Clique para ler o texto completo

Zika vírus: Butantan pode ter vacina em 5 anos

Diante da situação de emergência ocasionada pelo aumento crescente dos casos de microcefalia no Brasil, o Ministério da Saúde anunciou na última sexta-feira (15) que vai fornecer o suporte necessário para o Instituto Butantan desenvolver uma vacina contra a zika vírus “em tempo recorde”. As estratégias para definir o cronograma de produção foram definidas em uma reunião no órgão.

De acordo com Jorge Kalil, diretor do Butantan, o período para testar a vacina em macacos é de um ano. A partir daí, seriam necessários de 3 a 5 anos para efetivar o registro. “Se nós conseguirmos cortar todos os espaços, em três anos talvez a gente possa ter alguma coisa. Em vias normais, com algum atraso que eu possa ter, nós falamos em cinco anos. Isso em termos bastante rápidos”, afirmou Kalil em entrevista aos jornalistas.

Estudos e questões burocráticas

Para que a previsão feita por Kalil seja atendida, contudo, é necessário realizar uma série de análises científicas sobre o vírus que demandam longos estudos.

Além disso, também existem os processos burocráticos que “sempre vão existir”, segundo Kalil. No entanto, o Butantan espera ter mais facilidade para cumprir as exigências. Para efeito de comparação, em condições normais, uma vacina pode demorar de 10 a 12 anos para ser desenvolvida por completo.

Desenvolvimento

vacina-zika-virus-instituto-butantan

Os laboratórios do Butantan já mantêm estudos sobre o zika. A expectativa do órgão é de produzir a vacina a partir do vírus da dengue atenuado, que receberia o gene responsável por codificar a proteína do zika. Esse método ajudaria a reduzir o tempo de desenvolvimento da vacina.… Clique para ler o texto completo

Instituto Butantan é autorizado a iniciar a última fase de testes da vacina contra dengue

Boa notícia para os brasileiros. Nesta sexta-feira (11), a Anvisa (Agência Nacional de Vigiância Sanitária) autorizou o Instituto Butantan a começar a terceira e última fase de testes da vacina contra dengue. A partir de agora, estarão em análise elementos relacionados à qualidade, segurança e eficiência do material. O aval veio 8 meses após o instituto protocolar o pedido para iniciar essa etapa derradeira de testes.

instituto-butantan-vacina-dengue

Em nota oficial, a Anvisa explicou que supervisionou todo o trabalho, “o que contribuiu para o processo de análise fosse realizado dentro dos padrões internacionais de qualidade, uma vez que a liberação de uma vacina para teste em milhares de pessoas, como ocorre na fase 3, exige que se tenha absoluta certeza da segurança do produto”.

Como funcionam os testes

Nos estudos anteriores, o Butantan testou a vacina em animais e em 300 humanos. Todas as experiências foram bem sucedidas. Paralelamente, testes similares realizados nos Estados Unidos apontaram que o produto é totalmente seguro e eficaz para combater a dengue. A vacina tem potencial para proteger contra os quatro tipos do vírus com apenas uma dose.

Com a liberação da Anvisa para a última fase de experimentos, 17 mil voluntários de 2 a 59 anos serão imunizados. O plano de vacinação será realizado em 15 centros de saúde distribuídos pelo Brasil, incluindo o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP) e o Hospital das Clínicas da Facultade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HC-FMRP-USP).… Clique para ler o texto completo

Vacina contra dengue: Instituto Butantan procura voluntários para testes

Em conjunto com a Universidade de São Paulo (USP), o Instituto Butantan está recrutando 77 voluntários para dar prosseguimento à segunda etapa do processo de liberação da vacina contra dengue. Para esta fase dos ensaios, a instituição dará preferência a pessoas que já contraíram a doença em algum momento. Confira os requisitos para ser um voluntário.

Quem pode ser voluntário do Instituto Butantan

instituto-butantan-voluntarios-vacina-dengue

  • Homens e mulheres;
  • Idade entre 18 e 59 anos;
  • Ter disponibilidade para fazer o acompanhamento nos centros de pesquisa de São Paulo pelo período de 5 anos;
  • Não estar grávida.

Os testes para a vacina contra dengue são realizados no Centro de Pesquisas Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e também no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Para obter mais informações, é necessário ligar para os telefones (11) 2661-7214/(11) 2661-3344 ou clicar aqui.

Evolução dos testes da vacina contra dengue

O Instituto Butantan já promoveu uma fase preliminar de testes em 173 pessoas e obteve resultados positivos. Os experimentos realizados com apenas uma dose da vacina garantiram a imunização contra quatro tipos do vírus.

Antes mesmo de concluir a segunda etapa, o instituto já solicitou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a antecipação da terceira e última fase de estudos da vacina contra a dengue. O cronograma prevê testes em 17 mil pessoas, e deve acelerar a liberação da produção em até dois anos. A previsão é de liberar a vacina para a população a partir de 2016.… Clique para ler o texto completo