Operação no Butantã localiza drogas, motos e até uma refinaria de entorpecente

Dois homens suspeitos de terem executado, no dia 27 de setembro, um policial da Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), a tropa de elite da Polícia Militar da cidade de São Paulo, foram presos na favela São Remo, zona oeste de SP. Cerca de 60 policiais da Rota e outros 40 da Polícia Civil realizaram, na manhã da última quinta-feira (1), uma operação na comunidade localizada na região do Butantã, onde também localizaram drogas, motos e até uma refinaria de entorpecentes.

André Peres de Carvalho, 40 anos, estava na polícia há 20 anos, sendo dez deles na Rota. Desde 2008 fazia serviços administrativos por conta de problemas de saúde, já que vinha se recuperando de um acidente de trânsito. De acordo com a própria polícia, no dia 27 de setembro o soldado foi atingido na avenida Corifeu de Azevedo Marques, no Butantã, zona oeste, quando saía de casa.

“Estamos, em conjunto com o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), na busca de indivíduos que cometeram crimes contra Polícia Militar”, afirmou o coronel Cesar Augusto Morelli, do comando dos policiamentos de choque.

Um dos suspeitos, Felizânio dos Santos Pacheco, conhecido como Fefê, foi preso na noite da última terça-feira, mas a polícia preferiu não divulgar a informação para não comprometer a operação desta quarta-feira. Já o outro suspeito, Antonio Pereira Soares, o Tonhão, foi pego na manhã desta quarta na favela São Remo.




Operação na São Remo

A operação começou por volta das 6h, com as polícias de São Paulo cumprindo diversos mandados de busca e apreensão na favela São Remo. Até as 11h da manhã, quatro homens, dois tijolos de maconha, R$ 10 mil, uma pistola e três motos foram apreendidas, além da localização de uma refinaria de entorpecentes, chamada pelos próprios traficantes de laboratório.

“A refinaria de entorpecente com certeza serve à USP (Universidade de São Paulo), pois é bem próxima aos muros da universidade, mas temos mais coisas pra pegar”, afirmou o coronel.

Um dos quatro indivíduos presos foi detido em seu imóvel, que era equipada com jacuzzi e TV de plasma, além de relógios de luxo. Segundo o coronel, “pela ostentação que apresentava, o indivíduo devia ter um cargo alto no tráfico”.

De acordo com o coronel Morelli, a operação deve prosseguir até que todos os mandados sejam cumpridos. “Continuaremos até exaurir as possibilidades de e encontrar delitos”.

Fonte: Portal Terra





Deixe seu comentário