Após morte de aluno, reitoria da USP se reúne com estudantes

A reitoria da USP (Universidade de São Paulo) marcou uma reunião nesta quinta-feira com a direção e estudantes da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade) após um aluno ser assassinado no estacionamento do campus do bairro do Butantã, na zona oeste de São Paulo.

Na manhã de hoje, um grupo de alunos protestou contra a falta de segurança, fez um minuto de silêncio em homenagem ao colega, e seguiu em passeata até o prédio da reitoria, onde foi entregue uma carta aberta ao reitor, João Grandino Rodas.

“Os casos de violência na USP têm se tornado uma triste constante”, afirma o documento, que pede medidas concretas para o problema, como melhoria da iluminação e aumento do número de vigilantes.

A carta foi recebida pelo chefe de gabinete da reitoria, Alberto Carlos Amadio, que disse estar “chocado” com o crime e que “todas as medidas necessárias seriam tomadas”.




As aulas da FEA estão suspensas, e um grande número de alunos, de vários cursos da USP, estão reunidos em frente ao prédio. Às 10h30 estava prevista uma discussão sobre a segurança no campus.

Maira Madrid, presidente do Centro Acadêmico da FEA, disse que os estudantes continuarão “lutando para que mude alguma coisa desta vez”.

O diretor da FEA, Reinaldo Guerreiro, disse hoje que “o grau de insegurança é bastante alto” na USP. À Folha, disse que sua faculdade já havia tomado medidas próprias de segurança, como a instalação de câmeras no interior do prédio.

Guerreiro também afirmou ser favorável ao patrulhamento de PMs no campus, e que a FEA pretende instalar catracas para restringir a entrada no prédio até o próximo semestre.

Fonte: Folha.com





Deixe seu comentário