MAE USP

O MAE – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (MAE-USP) é uma instituição voltada à pesquisa, à docência e à difusão cultural e científica.

O MAE é vinculada à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo.

Abarcando uma extensão temporal que vai da pré-história até nossos dias, trazem máscaras, amuletos, armas, cerâmicas, pinturas, adornos, vestimentas, utensílios domésticos, instrumentos musicais e de trabalho.

mae-usp-no-butanta


Sobre Museu de Arqueologia e Etnologia da USP no Butantã

O MAE – Museu de Arqueologia e Etnologia da USP no Butantã conta com um acervo de 120 mil objetos e imagens referentes à cultura material da América do Mediterrâneo, Médio Oriente e África.

Foi criado em 1989, a partir do desmembramento dos setores de arqueologia e etnologia do Museu Paulista, aos quais se fundiram as coleções do Instituto de Pré-História da USP, do antigo museu homônimo da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e do Acervo Plínio Ayrosa. Está localizado na Cidade Universitária, na Zona Oeste de São Paulo.

O museu possui um dos maiores acervos de artefatos arqueológicos e etnográficos do Brasil, composto por mais de cento e cinquenta mil (150.000 ) peças, formado por meio de coletas de campo, escavações, compras, permutas, comodatos e doações, desde o fim do século XIX.

A coleção arqueológica abrange os povos e civilizações do Mediterrâneo e do Oriente Médio, da América pré-colombiana e, sobretudo, do Brasil pré-colonial. A coleção etnográfica abrange peças relativas às populações africanas e afro-brasileiras e aos povos indígenas de todas as regiões do Brasil. Possui ainda uma vasta biblioteca, com cerca de 60 mil volumes, entre livros, catálogos, teses, periódicos e obras raras.

Cursos MAE USP

O MAE oferece cursos de extensão e disciplinas optativas para estudantes de graduação. Em nível de pós-graduação, mantém o Programa de Arqueologia para graduados em geral, formando profissionais nas áreas de arqueologia pré-histórica e histórica e arqueologia clássica.

Promove exposições e programas educativos voltados à comunidade em geral. A pesquisa é desenvolvida na forma de atividades de gabinete, campo e laboratório, em convênio com diversas instituições brasileiras e estrangeiras.

Mantém o Centro Regional de Pesquisas Arqueológicas Mário Neme, na cidade de Piraju, e o Museu Regional de Iguape, no Vale do Ribeira, como núcleos de apoio logístico e operacional para pesquisas de campo.Também possui vínculos com o Centro de Arqueologia Biomas da Amazônia, no município de Iranduba, em conjunto com a Universidade do Estado do Amazonas.

Entre 1991 e 2011, publicou regularmente a Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, em formato impresso e com periodicidade anual, mas desde 2012 a Revista do MAE passou ser semestral, em formato eletrônico e de acesso aberto através do Portal de Revistas da USP

O que tem no Museu de Arqueologia e Etnologia no Butantã

A exposição de longa duração intitulada Formas de Humanidade oferece um panorama de diferentes culturas, em diversos lugares e tempos, a partir de objetos expostos no seu contexto museográfico. Ela é formada por três diferentes setores:

SETOR A1 – ORIGENS E EXPANSÃO DAS SOCIEDADES INDÍGENAS: Este setor busca divulgar as diferentes formas de subsistência, tecnologia, organização social e representação das sociedades indígenas pré-coloniais a partir de uma perspectiva cronológica. Ele pretende discutir os processos culturais dos grupos caçadores-coletores, pescadores-coletores e agricultores.

SETOR A2 – MANIFESTAÇÕES SÓCIO-CULTURAIS INDÍGENAS: Este setor trata das sociedades indígenas do século passado. Ele procura evidenciar as diferenças existentes entre os grupos indígenas e caracterizar sua organização sócio-econômica, suas formas de celebração e representação. Ele também procura discutir os preconceitos e idéias equivocadas a respeito das sociedades indígenas.

acervo-mae-usp-no-butanta

SETOR B – ÁFRICA: CULTURAS E SOCIEDADES: Este setor busca divulgar aspectos da diversidade cultural das sociedades africanas e as respectivas influências no Brasil. Ele propicia a observação de objetos que evidenciam as diferentes tecnologias e formas de celebração, procurando discutir as adaptações culturais aos diferentes ambientes da África e os preconceitos em relação às sociedades africanas.Acervo MAE USP no Butantã



SETOR C – MEDITERRÂNEO E MÉDIO ORIENTE NA ANTIGUIDADE: Este setor trata das características econômicas, tecnológicas e religiosas da Antigüidade no Mediterrâneo e Médio Oriente, além de destacar a ocupação pré-histórica européia. Ele propõe discutir questões ligadas ao comércio, intercâmbio cultural e diferentes formas de colonização.

Visitas no MAE USP no Butantã

Visitas Livres:
As visitas livres são conduzidas pelo próprio professor da escola visitante. Elas podem ocorrer nos seguintes dias e horários: de 3a a 6a feiras – das 08h30 às 10h00 ou das 13h30 às 15h00; sábados – às 10h00 e às 16h00. O número máximo de alunos para este tipo de visita é 90.

Visitas Monitoradas:
A visita monitorada é composta de três etapas: um acolhimento inicial, a visita à exposição e uma atividade final. O limite máximo de alunos para este tipo de visitação é de 01 (uma) classe de, no máximo, 45 alunos.

Para que a escola tenha direito a uma visita monitorada é preciso que pelo menos 01 professor já tenha participado do treinamento de professores, que ocorre no próprio MAE. Cada escola tem direito a 04 visitas monitoradas por ano, sendo para isso necessária a participação de pelo menos 02 professores no treinamento.

Os horários para este tipo de visita são: de 3a à 6a feira – das 10h00 às 12h00 ou das 15h00 às 17h00. A escola pode escolher apenas 01 setor para visitação. Se houver atraso de 20 minutos, ou mais, a escola perderá o direito à monitoria, realizando uma visita livre.

Este treinamento gratuito e oferecido mensalmente é condição prévia para o agendamento das visitas monitoradas dos alunos destes mesmos professores.

Tem como objetivo a apresentação e a discussão da exposição “Formas de Humanidade”, dos seus conceitos unificadores e dos roteiros de visitas monitoradas. O professor que participa do treinamento tem condições de selecionar o roteiro de visita mais apropriado para seus alunos, preparando-os para dar continuidade à mesma na sala de aula.

O limite máximo são de 15 professores em cada treinamento. Nele são oferecidos os seguintes materiais:

Apostila de textos básicos sobre os principais conceitos utilizados em nossa exposição e material bibliográfico atualizado a respeito da mesma;

Agendamento das visitas:

O agendamento das visitas livres e monitoradas é feito mensalmente. Ele sempre ocorre a partir da terceira 2a feira do mês. Devido ao limite máximo de quatro visitas diárias (duas livres e duas monitoradas), recomendamos aos professores que liguem o mais prontamente possível, de modo a garantir sua visita.

museu-arqueologico-usp-no-butanta

No caso de cancelamento, pedimos aos professores que informem com antecedência, para não prejudicar outras escolas interessadas em visitar a exposição.

Biblioteca MAE USP

A formação da Biblioteca do MAE/USP iniciou na criação do Museu de Arte e Arqueologia (MAA) em 1964. No início da década de 1970, o MAA passou a ser Museu de Arqueologia e Etnologia, denotando novo enfoque de seu acervo e missão.

Em 1989 formou-se o novo MAE/USP, quando o Museu incorporou o Instituto de Pré-história da USP e parte do acervo do Museu Paulista, também desta Universidade. O SBD/MAE reúne, portanto, todo o acervo bibliográfico do extinto IPH, além de livros e coleções de periódicos vindos do MP.

Hoje o MAE/USP soma cerca de 90.000 volumes e possui reconhecimento nacional devido ao seu relevante e importante acervo, com obras de valor inestimável não só para a USP como para o patrimônio cultural nacional.

A Biblioteca do MAE está aberta ao público em geral e oferece serviços online.

Horário de Funcionamento MAE USP no Butantã

  • Segunda, Quarta, Quinta e Sexta: das 09h às 17h00
  • Sábado das 10h às 16h00

Endereço e Telefone XX no Butantã

  • Av. Prof. Almeida Prado, 1466 – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3091-4905

Outras informações e site

Mapa de localização





Deixe seu comentário