MAC USP

A reforma da sede do Museu de Arte Contemporânea da USP no Butantã , no campus da Cidade Universitária, foi pensada para abrigar uma exposição permanente com obras do acervo do museu.

As melhorias dotaram o MAC com os equipamentos mais atualizados em condicionamento de ar, iluminação, combate a fogo e proteção contra vandalismo, além de novo desenho do espaço para exposições.

As condições físicas foram criadas para abrigar um acervo como o do MAC, o mais importante do país no gênero e que ocupa lugar destacado na América Latina.

mac-usp-no-butanta


Sobre MAC USP

Um acervo como o do Museu de Arte Contemporânea – MAC USP  deve estar permanentemente à disposição do público, numa relação de perenidade que se revela a condição essencial para a incorporação de uma dada coleção por parte de seu público.

O que faz com que um museu tenha efetivamente um público, e não apenas um conjunto aleatório de visitantes – assim como o que permite que um dado público se aposse simbolicamente de um repertório de obras, integrando-o à sua memória afetiva (que em parte norteia seu princípio de identidade) e transformando-o em motor de sua renovação criativa – é essa possibilidade de ser visitado repetidas vezes para que nele se revejam suas obras.

É esse hábito que cria entre obra e observador a necessária familiaridade sobre a qual se completa o desenvolvimento cultural desse observador e do sistema cultural e artístico a que pertence.

Os curadores da exposição permanente do acervo – Teixeira Coelho, Martin Grossmann e Katia Canton – oferecem uma visão da arte moderna e contemporânea, brasileira e estrangeira, desde o início do século XX.

A partir da obra mais antiga – uma pintura à óleo de Giacomo Balla, datada de 1906 – o MAC pode ilustrar com seu acervo praticamente todos os principais movimentos artísticos dos últimos cem anos.

A curadoria não vai, no entanto, preocupar-se em agrupar as peças por suas opções estéticas. Cada galeria do Museu abrigará um conjunto de obras com identidade precisa.

A exposição vai apresentar cerca de 200 obras de artistas como Modigliani, Braque, Picasso, Miró, Léger, Tarsila, De Chirico, Anita Malfatti, Flávio de Carvalho, Waldemar Cordeiro, Morandi, Kandinsky, Leda Catunda, Max Bill, Brecheret, Regina Silveira e Evandro Jardim, entre tantos outros.

A curadoria também preparou “Obras em Contexto”, nichos onde uma determinada peça é confrontada com documentos ou informações de natureza estética, política, filosófica ou outra que evidenciam ou ampliam seu significado inicial.

Para um museu empenhado em estabelecer sólidas pontes entre as obras e o público, ideal seria a situação em que cada uma de suas peças se apresentasse assim contextualizada.

Isso será possível quando o Museu lançar, em breve, pela Internet, seu programa MACvirtual com os recursos da hípermidia; por ora, a limitação do espaço físico real permite mostrar apenas exemplos isolados do que sempre se deveria fazer num museu cujo compromisso básico é com seu público geral.

A coleção do MAC é de singular importância internacional e oferece uma experiência significativa do que foi e é a arte dos últimos cem anos. A obra mais antiga da coleção é de 1906 e a mais recente, de 2000: nesse arco alojam-se exemplos daquilo que de melhor este século deixa como herança para o próximo.

O que se vê na presente exposição é pouco, na verdade, quando se considera o acervo total do Museu: nem 3% podem aqui serem vistos. Fica então o compromisso com o público de buscar, um pouco mais adiante no tempo, as condições que permitam maior acesso físico a um patrimônio cultural dos mais belos do país.

Sob esse aspecto, a atual exposição é uma janela aberta para o que poderá ser, no futuro, um MAC que disponha de todo o espaço suficiente para mostrar de modo mais generoso e apropriado sua coleção sem privar-se de apresentar, simultaneamente, mostras temporárias vindas de outras partes do país e de fora para alimentar a conversa com o próprio acervo, enriquecendo-o retrospectivamente, e com arte e os artistas que se fazem aqui a cada dia.

Para tornar a cultura acessível a um número cada vez maior de pessoas – um dos seus principais objetivos- O MAC vem buscando parcerias com o setor privado para viabilizar suas atividades, credenciadas junto às leis de incentivo fiscal.

Restaurante MAC USP

A cobertura do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP ganhou vida nova em 2018. A área de 2 200 metros quadrados passarou a abrigar três ambientes, com decoração inspirada no design brasileiro dos anos 50. O primeiro a abrir as portas foi o restaurante Vista, com capacidade para 120 pessoas.

A seu lado, e com entrada independente, o Bar Obelisco começou a funcionar no mesmo ano. Ele oferece drinques e petiscos em um balcão que se estende até a área externa do terraço.

Os empreendimentos levaram dois anos para ser erguidos, com investimento de 6 milhões de reais. A expectativa é atender 550 pessoas por dia, com um faturamento mensal de 1,5 milhão de reais, depois que todas as operações estiverem em pleno funcionamento.

restaurante-mac-usp-no-butanta

Por trás do negócio estão os empresários Eduardo Papel e Leo Sanchez, responsáveis pelos bares Rey Castro, The Sailor Legendary Pub, Jet Lag Pub e Sailor Burger.



Para atrair o público, a aposta é na cozinha brasileira, sob o comando do chef Marcelo Bastos, do Jiquitaia, que acabou também se tornando sócio da empreitada. Há oito pratos principais, como o maranhense arroz de cuxá com peixe frito e o carré de cordeiro com molho de maniva e bananas-da-terra douradas. Os proprietários calculam que o tíquete médio de um casal é de aproximadamente 320 reais, com vinho.

O cardápio de drinques leva a assinatura de Laércio Zulu. Entre suas criações está o mangadinha, com gim, manga e cardamomo, entre outros ingredientes, servido em um xequerê, instrumento musical afro-brasileiro, para ser compartilhado por duas pessoas. Há planos também de realizar apresentações musicais esporádicas por ali, além de eventos fechados como casamentos: já há cinco marcados até o fim do ano.

Vista MAC USP

A Vista panorâmica tira o fôlego de qualquer um. O rooftop do edifício histórico desenhado por Oscar Niemeyer cede espaço para o complexo gastronômico Vista, com bar, restaurante, café, espaço para eventos. Um novo ponto turístico na cidade de São Paulo.

MAC USP Arquitetura

O prédio do MAC-USP é repleto de história. A estrutura integra o complexo do Ibirapuera, desenhado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado em 1954 para as celebrações do quarto centenário da capital, que inclui ainda o Pavilhão da Bienal, o Museu Afro Brasil, a Oca, o Auditório Ibirapuera, a marquise e o Museu de Arte Moderna.

Em seus primeiros anos, o edifício chamava- se Palácio da Agricultura e abrigava essa secretaria municipal. Mas foi mais conhecido, por décadas, como a sede do Detran. Em 2012, o MAC passou a ocupar apenas parte do espaço, com obras de Tarsila do Amaral, Picasso e Matisse.

O Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP) é uma instituição ligada ao ensino, à pesquisa e à extensão universitária, voltado à produção artística nacional e estrangeira.

O MAC possui a mais importante coleção da América Latina especializada na produção ocidental do século XX. Conta com cerca de 10 mil obras – entre óleos, desenhos, gravuras, esculturas, objetos e trabalhos conceituais – consistindo em um grande patrimônio cultural com decorrências nacionais e internacionais

Exposições MAC USP Butantã

Em uma sede nova, o MAC USP apresenta a exposição “Visões da arte no acervo do MAC USP 1900-2000”. A partir disso, o museu vai passar a ampliar, consideravelmente, o número de obras em suas exposição de longa duração.

Essa mostra conta com mais de 160 obras, e são consideradas as mais expressivas do acervo que o Museu abriga. Se localiza no 7º andar com peças da primeira metade do século XX e se expande até o 6º andar com obras da segunda metade do século XX. Deste modo o visitante tem a oportunidade de desfrutar dos últimos cento e poucos anos da história da arte de acordo com a curadoria das docentes Ana Magalhães, Helouise Costa e Carmen Aranha (todas curadoras do MAC USP).

Esta exposição tem como objetivo apresentar as obras em conjuntos definidos pelas principais escolas e movimentos artísticos deste período, dando destaque às suas crises e rupturas.

Monumentos Temporários

Fyodor Pavlov-Andreevich Monumentos Temporários
Essa mostra está exposta desde 01 de Abril de 2017 e vai até 13 de Agosto de 2017. Fyodor Pavlov-Andreevich, nasceu na Rússia e vive entre Moscou, Londres e São Paulo. Nessa exposição o artista tenta passar sua visão do mundo.[54]

Ele aborda a escravidão em suas diversas formas por meio de sete atuações que fez entre 2014 e 2017. Essas ações formam aquilo que ele denomina de “monumentos temporários”. Os monumentos de Fyodor não são para celebração, pelo contrário, nos lançam de frente a sete situações de flagelo que trazem o passado e o presente da história do Brasil misturados.

 MAC USP Café

Agora, além de conferir as exposições no local, é possível perder um tempo todo saboroso no Vista Café, que acaba de inaugurar no mezanino do museu. Projetado e decorado por Felipe Protti, do estúdio Prototyp&, o café conta com um grande terraço ao ar livre com espaço para receber até 18 pessoas e mais 56 na área interna.

vista-mac-usp-no-butanta

Grande estrela do Vista Café Parque Ibirapuera, o menu é inspirado na cozinha de mercado e assinado por Marcelo Corrêa Bastos, chef do premiado restaurante Jiquitaia. Ou seja: as receitas são preparadas com ingredientes frescos, muitos deles orgânicos, aproveitando as melhores frutas e legumes de cada estação. O foco saudável dos pratos também ganha a companhia de sugestões vegetarianas e sem glúten ou lactose.

Biblioteca MAC USP

BIBLIOTECA LOURIVAL GOMES MACHADO

O acervo está disponibilizado em estantes fixas abertas e é composto por 15 mil volumes, entre livros e revistas. As publicações são especializadas nas áreas de artes plásticas, museologia e fotografia. O empréstimo domiciliar é somente para alunos da Universidade de São Paulo.

Recentemente, a biblioteca recebeu, por doação, o acervo da Biblioteca Walter Zanini, que se soma ao acervo bibliográfico do MAC em meados de março/2018.

ACESSIBILIDADE:

A Biblioteca do MAC está adaptada para a circulação de cadeirantes. Estamos localizados no piso térreo do MAC USP.

Horário de Funcionamento MAC USP no Butantã

  • Terça a Domingo: das 10h às 21h30

Endereço e Telefone Museu de Arte Contemporânea no Butantã

  • Av. Pedro Álvares Cabral, 1301
  • Telefone: (11) 2648-0254

Outras informações e site

Mapa de localização





Deixe seu comentário