Museu Oceanográfico Butantã

O Museu Oceanográfico Butantã foi fundado em outubro de 1988, localizado na Praça do Oceanográfico na Cidade Universitária, com o objetivo de difundir a Ciência Oceanográfica e as pesquisas realizadas pelo Instituto Oceanográfico (IOUSP), além de promover atividades culturais em benefício a sociedade.

O museu mantém exposições permanentes com um acervo dividido em módulos que evidenciam a dinâmica, a estrutura e a biodiversidade dos oceanos bem como aspectos da ciência oceanografia.

Museu Oceanográfico Butantã

Possui o intuito de ser uma instituição de referência na transmissão do conhecimento sobre os oceanos e também na contribuição para respostas aos problemas de ordem local e global, relacionados ao clima e exploração sustentada dos ecossistemas marinhos. Docentes do Instituto participam ativamente do encaminhamento de questões com aplicação imediata à preservação e conservação do meio ambiente marinho, quando solicitados por empresas, órgãos públicos e privados. O Museu Oceanográfico recebe cerca de 25 mil visitantes anuais.


Há disponível no Museu diversos instrumentos oceanográficos utilizados na obtenção de dados e coleta de água, sedimentos e organismos marinhos. O Museu aborda temas sobre oceanografia e áreas correlatas como: a importância dos oceanos, correntes marinhas, marés, composição química da água do mar, organismos marinhos, manguezal, oceanografia por satélite e poluição marinha. Há exposições com acervos amostras sobre a Antártica “Expo Antártica” e a exposição “Prof. Wladir Besnard”. Aquários também são utilizados para representar alguns ecossistemas marinhos (Costão Rochoso, Manguezal e Recife de Coral) e suas biodiversidades.

História do Museu Oceanográfico Butantã

O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP) foi fundado em 1946, como Instituto Paulista de Oceanografia. Em 1951, mudou para seu nome atual quando foi incorporado à USP. Na época de fundação, os objetivos de seus idealizadores apontavam para a necessidade de uma instituição que fornecesse bases científicas à pesca e, numa concepção mais ampla, à exploração de todos os recursos disponíveis ao longo do litoral paulista. O estudo do IOUSP visa contribuir para a produção historiográfica sobre os institutos de pesquisa no Brasil, que desempenharam um papel importante na produção científica brasileira, e ressaltar sua importância para o processo de institucionalização das ciências oceanográficas em território brasileiro.

Em outubro de 1988, o Museu Oceanografico do IOUSP foi aberto ao público, fruto de uma Comissão Implantadora do Museu e Aquário, criada em setembro de 1986. Em 1992, o “Museu e Aquário do Instituto Oceanográfico”, passou a assumir a identidade atual de “Museu Oceanográfico do Instituto Oceanográfico da USP”, mantendo o objetivo inicial de dar apoio às atividades de ensino, pesquisa e extensão de serviços à comunidade, tornando o Instituto Oceanográfico da USP mais acessível ao público em geral. Também possui a finalidade de dar suporte às atividades de primeiro e segundo graus da rede de ensino, bem como à pesquisa e à extensão. Para tanto, o Museu mantém, entre outros, um serviço de empréstimo de material biológico, a alunos e professores.



O IOUSP foi transformado em Unidade Universitária em 1972 e, a partir de 1973, passou a oferecer cursos de Pós-Graduação em nível de Mestrado nas áreas de Oceanografia Biológica e Oceanografia Física. Atualmente, o Instituto é constituído por quatro departamentos, Oceanografia Biológica e Oceanografia Física, Química e Geológica. Conta com 34 docentes e cerca de 150 servidores não-docentes.

O Bacharelado em Oceanografia foi criado em 2001 tendo, em 2002, recebido a primeira turma de alunos ingressantes. O curso de graduação insere-se na área de Ciências da Terra sendo, porém, fortemente multidisciplinar. Os alunos recebem ampla formação em Matemática, Cálculo Diferencial e Integral, Biologia, Química, Física e Geologia. O estudo dos processos marinhos integra essas diversas ciências básicas, tanto sob o ponto de vista teórico quanto experimental.

Acervo do Museu Oceanográfico Butantã

Podem ser encontrados no museu vários instrumentos oceanográficos, utilizados na obtenção de dados e coleta da água, sedimento e organismos marinhos, como por exemplo:

  • Pegador “Van Veen”: utilizado para a coleta dos sedimentos e de sua fauna associada;
  • Garrafas de Nansen: coleta amostras de água para análises químicas, físicas e biológicas;
  • Perfilador CTD: obtenção instantânea de dados sobre a condutividade e temperatura da água;
  • Correntógrafo: faz a medição da intensidade e da direção das correntes oceânicas;
  • Batitermógrafo: equipamento mecânico para obtenção do perfil de temperatura da água;
  • Marégrafos: mede a variação da superfície do mar devido à ação das marés.

O serviço do Museu também apresenta uma mostra de equipamentos utilizados em expedições oceanográficas, e princípios da Ciência Oceanográfica que está dividida em Oceanografia Geológica; Oceanografia Física; Oceanografia Química e Oceanografia Biológica. Tem um interessante “acervo vivo” que ilustra a informação apresentada.

Vagas Museu Oceanográfico Butantã – Trabalhe Conosco

O Museu Oceanográfico Butantã disponibiliza vagas de trabalho durante todo ano. Para se informar sobre os processos seletivos e se candidatar as vagas acompanhe o site da empresa, onde é possível se informar sobre vagas abertas, salários e competências necessárias para se candidatar ao processo.

Horário de Funcionamento Museu Oceanográfico no Butantã

  • Segunda a Sexta: das 08h às 16h30

Endereço e Telefone Museu Oceanográfico no Butantã

  • Praça Oceanográfico, 191 – Vila Universitaria – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3091-7149

Mapa de localização





Deixe seu comentário