Prefeitura promete instalar lombadas onde menina foi atropelada no Morumbi – Butantã

A prefeitura prometeu instalar já nesta sexta-feira duas lombadas físicas na Rua Doutor Flávio Américo Maurano, no Morumbi, onde três pessoas foram atropeladas nesta semana. O presidente da Associação dos Moradores de Paraisópolis, Gilson Rodrigues, disse que uma nova lombada eletrônica será instalada no local em uma semana. Também haverá faixas e placas de sinalização para motoristas e pedestres.Tudo isso foi decidido em uma reunião com os sub-prefeitos de Campo Limpo e Butantã nesta manhã, depois de um protesto que acabou em tumulto na noite de quarta-feira por causa do atropelamento de uma menina de 9 anos. Os moradores de Paraisópolis bloquearam por mais de 3 horas a via, próximo à Avenida Giovanni Gronchi, queimaram pneus e incendiaram um carro durante a manifestação.

Inicialmente, a Polícia Militar acompanhou de longe. Os manifestantes atiraram pedras e explosivos caseiros em direção aos policiais, que acabaram usando bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Motoristas que chegavam até ali, assustados, voltavam de ré. Os moradores forçaram ônibus e vans a fazerem o mesmo. Carros que passavam foram alvo dos manifestantes.

A menina foi atropelada por um motoqueiro, que fugiu sem prestar socorro. Foi o terceiro atropelamento na semana. Na segunda-feira, uma aposentada de 68 anos e a neta dela, de 6 anos, morreram atropeladas na mesma avenida. A única lombada eletrônica que existia no local estava desativada, o que permitia que os carros rodassem em alta velocidade na via, formada por uma grande ladeira.



Nesta manhã, as ruas do Morumbi, próximas à favela de Paraisópolis, amanheceram tomadas pela polícia. Agentes da CET orientaram os motoristas. No começo da manhã, as duas faixas da rua, que liga a Avenida Giovanni Gronchi à Avenida Morumbi foram liberadas apenas para a descida de veículos.

– Na lombada eletrônica, quando chegam próximo, eles dão uma reduzida, mas quando sai de perto da lombada aí eles voltam a andar rápido – afirma Osmarina Ramos, costureira.

O enterro da aposentada e da neta está sendo feito hoje, em Minas Gerais. Quem atropelou as duas foi Davis Albino de Oliveira, de 20 anos. Ele era entregador de uma lanchonete, não tinha habilitação e, segundo a polícia, não foi detido em flagrante porque prestou socorro e ficou no local aguardando a polícia. Por isso, pagou fiança e foi liberado para responder em liberdade. A vitima do atropelamento de ontem foi liberada do hospital e já está em casa.

– Eu vi na hora que a moto bateu na minha perna, aí eu voei do outro lado e não vi mais nada. Eu pensava que tinha quebrado, mas não quebrou. Eu tenho medo agora daquela rua – afirma Maria Cristina Aparecida da Silva, de 9 anos.

– Não tenho nem palavra, não sei se eu acreditei, se eu não acreditei, eu fiquei parada. Sempre tive medo. Eu não gosto nem que ela venha da escola sozinha. É pertinho, ali no Homero, mas eu tenho medo que ela venha sozinha porque é muito carro, muita moto – diz Maria Aparecida da Silva, mãe de Maria Cristina.

Fonte: O Globo Online



Deixe seu comentário