Galeria Leme no Butantã

Inaugurada em Novembro de 2004, a Galeria Leme explora e viabiliza novas idéias e experimentos em arte contemporânea e possui, desde o início, vocação internacional.

Sua construção, especialmente concebida pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha para ser uma galeria de arte, é inteira em concreto aparente, possui 420m² de área útil e um pé-direito de 9m de altura.

Uma de suas principais propostas é promover artistas diversificados, assim como um intenso intercâmbio cultural.

galeria-leme-no-butanta


Sobre Galeria Leme no Butantã

A Galeria Leme representa artistas brasileiros e internacionais, com ênfase na América Latina, que trabalham com os mais variados tipos de mídia: fotografia, pintura, instalação, escultura, vídeo, projeção, site-specific, entre outros.

Desde setembro de 2006, possui um project room em frente a seu espaço principal que funciona como estúdio, espaço expositivo e residência. Artistas são convidados a desenvolver obras e projetos de arte, proporcionando uma maior aproximação com o espectador, que pode acompanhar o processo de trabalho.

Galeria Leme AD

A nova Galeria Leme foi construída em 2011 a duas quadras da galeria original, de 2004. É uma reconstrução do primeiro edifício, com projeto de Paulo Mendes da Rocha e Metro arquitetos, demolido no final de 2011. Além da reprodução do projeto original foi acrescentado um anexo, um cubo de 9 x 9 metros, ligado ao edifício principal por uma ponte no pavimento superior.

Esse novo conjunto é fruto da negociação do proprietário com uma grande empresa construtora que comprou toda a quadra em que se localizava a antiga galeria para a construção de um empreendimento comercial, como parte do processo de rápida transformação urbana típica da cidade de São Paulo.

Entre outras alternativas resolvemos reproduzir o mesmo projeto. Além de esse espaço ser já uma marca da galeria, a ideia de manter o edifício tal qual era apresentava uma oportunidade de problematizar as ideias de preservação do patrimônio arquitetônico, da prevalência do projeto sobre a matéria construída e criar a possibilidade de uma experiência espacial inusitada: considerando que a demolição se deu depois do novo edifício concluído, durante alguns meses era possível visitar os dois em seguida, a poucos passos um do outro. Considerando que eram edifícios tão particulares e com uma especialidade tão característica um curioso efeito de déja-vu automático se produzia.

Galeria Leme Projeto

Tanto o edifício principal quanto o anexo são inteiramente construídos em concreto armado. A intenção foi de manter a mesma matriz formal e material do projeto original de Paulo Mendes da Rocha inclusive na ponte de ligação, como se fosse uma continuação, um crescimento a partir do volume original. O anexo abriga uma grande área de acervo no pavimento superior e uma nova sala de exposição no piso térreo. Através da ponte e do pátio aberto a conexão entre os espaços acrescentados e os espaços que já faziam parte do programa original é bastante fluido.

O pátio criado com a decisão de manter as adições de área como um corpo separado do volume principal é efetivamente um espaço importante de articulação e comprova a riqueza da ideia de anexo como tipo, mesmo quando não criado posteriormente, como adição.

As áreas de apoio estão todas concentradas em uma faixa lateral, facilitando a distribuição das instalações elétricas e hidráulicas. Os espaços administrativos contam com claraboias e janelas estão dispostos sobre os espaços expositivos, que tem entre seis e nove metros de altura, também com iluminação zenital. O edifício é fechado com grandes portas metálicas e vidro.



Galeria Leme Artistas no Butantã

Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de concreto da galeria, desenhado por Paulo Mendes da Rocha, vencedor do Prêmio Pritzker de Arquitetura.
A galeria busca promover a diversidade na arte assim como um intenso intercâmbio cultural através de mostras regulares de artistas internacionais, ou suas primeiras exposições individuais na América Latina. Estes artistas trabalham com diferentes meios como fotografia, pintura, instalação, escultura, vídeo, projeção, site-specific, entre outros.

O ano de 2012 marcou uma nova fase da galeria, ocupando um novo prédio, novamente projetado por Paulo Mendes da Rocha, agora com dois espaços expositivos independentes somando 600 m2. Em janeiro de 2019, a Galeria Leme e a Almeida & Dale Galeria de Arte anunciaram a fusão de suas operações no mercado de Arte Contemporânea, passando então a atuar conjuntamente nos setores nacional e internacional como Galeria Leme/AD.

Desde então, a galeria vem intensificando suas relações institucionais, através da inovação na abordagem e operacionalização de suas atividades.

Galeria Leme SITU e Curador

SITU, desenvolvido pela Galeria Leme com a curadoria de Bruno de Almeida, é uma plataforma de produção e pesquisa que promove um diálogo entre arte, arquitetura e cidade, como ferramenta para uma análise e problematização da urbanidade contemporânea como complexa matriz sócio-espacial.

Este projeto convida uma série de artistas Latino-Americanos para, um após o outro, se apropriarem do espaço exterior do edifício da Galeria Leme com obras temporárias e site-specific, que se relacionem tanto com a edificação quanto com o espaço público contíguo.

A escolha desta galeria (projeto comissionado ao arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha em colaboração com os Metro Arquitetos Associados) não se prende somente ao seu duplo vínculo com o mundo da arte e da arquitetura, mas fundamentalmente às suas fortes características arquitetônicas e também à sua complexa história de construção, demolição, replicação e ampliação, que pode ser tomada como uma representação, numa pequena escala, dos processos evolutivos da cidade de São Paulo e de tantas outras metrópoles contemporâneas.

O foco curatorial recai sobre artistas cujas pesquisas gravitem em torno de problemáticas arquitetônicas e do espaço urbano, assim como outros temas tangenciais. Por outro lado, incide em artistas Latino-Americanos, já que estes possuem um outro entendimento intelectual e corporal do espaço, que advém de uma intensa familiaridade com a complexidade da esfera pública e dos processos urbanos e sociais que são específicos à América Latina.

Através do encadeamento de uma série de propostas artísticas que dialoguem diretamente com o espaço público, SITU pretende continuamente engajar e incitar um público mais amplo e heterogêneo convidando-o a pensar criticamente sobre a sua cidade e os processos que lhe dão forma. O objetivo central é conceber obras que não sejam representações inócuas da realidade e que através das quais se possam enunciar, problematizar e propagar questões prementes.

Horário de Funcionamento Galeria Leme SP

  • Terça a Sexta: das 10h às 19h00
  • Sábado das 10h às 17h00

Endereço e Telefone Galeria Leme AD no Butantã

  • Av. Valdemar Ferreira, 130 – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3093-8184

Outras informações e site

Mapa de localização





Deixe seu comentário